Embalagens de salgadinho, de biscoito e sacola: por que nem todo plástico é reciclável e o que tem sido feito para reduzir impactos

  • 16/06/2024
(Foto: Reprodução)
Segundo especialista, reduzir o consumo desses materiais continua sendo a melhor opção, mas a indústria já tem criado alternativas para viabilizar a reciclagem desses produtos. Sacolas estão na lista de plásticos não reci TV Globo/Reprodução Dos três ‘R’ da sustentabilidade que aprendemos na escola – reduzir, reciclar e reutilizar –, o primeiro ainda é a melhor opção quando o assunto é consumo de plástico, segundo a especialista em gestão de resíduos sólidos da Unicamp Ana Paula Bortoleto. De acordo com a pesquisadora, embora esses itens tornem a vida mais prática, nem todos podem ser reaproveitados. Exemplos corriqueiros, como o pacote de um salgadinho ou o envelope que guarda um sachê de chá, estão entre os vilões. A explicação para isso está na baixa qualidade desses materiais, o que os torna desinteressantes para o reaproveitamento e, consequentemente, gera impactos importantes para o meio ambiente. No entanto, especialistas ouvidos pelo g1 Campinas pontuam que há alternativas, desde a diminuição do consumo, até novas tecnologias que buscam viabilizar a reutilização. Além disso, alertam que a separação do lixo e o trabalho das cooperativas de reciclagem continuam sendo essenciais para a destinação correta. 📲 Participe do canal do g1 Campinas no WhatsApp Nessa reportagem você vai entender: Por que alguns plásticos não são recicláveis Quais plásticos tem menos reciclabilidade Novas soluções na indústria Por que reduzir o consumo ainda é a melhor opção Por que alguns plásticos não são recicláveis? A professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e especialista em gestão de resíduos sólidos Ana Paula Bortoleto diz que a resposta está no potencial reaproveitável de determinados tipos de plástico. Um problema que atinge, principalmente, os mais finos – pode haver exceções. “Algumas embalagens de óleo, vasilhame para líquidos, garrafa de água, mesmo que não sejam propriamente PET, são recicláveis. Isso inclui todos aqueles que têm uma densidade maior, que você aperta e tem uma certa dureza. O resto, o plástico fino e sem muita estrutura, não é reciclável”, detalha Bortoleto. “[Eles são] de baixíssima qualidade já, né? E quando você tenta reciclar esse plástico, ele acaba perdendo tanta qualidade que não tem matéria-prima secundária. Não tem mais uso, né? É, não vai gerar uma matéria-prima secundária que tenha uma qualidade para ser colocada no processo industrial novamente”. Diferentemente do que ocorre com o PET, que pode ser granulado e virar matéria-prima secundária para outros produtos, os plásticos finos se perdem pela pouca estrutura e ficam inutilizados. Um dos motivos disso é a composição repleta de misturas e que leva utiliza diferentes tipos de polímeros – moléculas que o integram. Atenção: mesmo que não tenham a mesma reciclabilidade de uma garrafa PET, esses materiais não devem ser colocados no lixo orgânico. Segundo a especialista, eles ainda precisam ser descartados com outros tipos de plásticos, pois caberá à cooperativa de reciclagem – ou quem fizer a separação – definir qual fim será dado. ♻️ Isso significa que o trabalho dos recicladores continua sendo essencial para minimizar o impacto desses materiais no meio ambiente. Índice de reciclagem diária em Campinas é de 6,9%; média nacional chega a 2% Quais são esses plásticos com menor chance de reaproveitamento? Entre os exemplos citados pela especialista estão: sacolas plásticas (mesmo as biodegradáveis, pois geram microplásticos poluentes) embalagem de salgadinho e biscoito (com interior metalizado) embalagens de chás plásticos transparentes e finos que costumam envolver alimentos secos, como biscoitos, doces, caixas de bombom, entre outros alguns copos, pratos e talheres recicláveis celofane O que tem sido feito para contornar isso? Embora ainda seja um desafio, a indústria vem tentando criar alternativas para contornar o problema e viabilizar a reciclagem desses materiais. Um exemplo foi criado pelas cientistas e pós-doutoras em química Carla Fonseca e Silmara Neves, fundadoras de uma empresa em Valinhos (SP). Elas desenvolveram aditivos que transformam plásticos complexos em material reciclável, como explica Silmara. “Permite que materiais diferentes que compõem essas embalagens tenham uma mistura e gerem resina de boa qualidade. Com essas boas propriedades, pode voltar a ser embalagem”. LEIA TAMBÉM: Dia Mundial da Reciclagem: 96% dos resíduos produzidos no Brasil não são reaproveitados Saiba como separar o lixo para reciclagem Por regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), essa resina não pode voltar a embalar alimentos, como um pacote de arroz, por exemplo. No entanto, pode ser usada para produzir a embalagem do fardo que vai carregar esses pacotes. “Tem sacaria para produto químico, sacaria para outros tipos de produtos. Então, essa resina reciclada com o aditivo que a Envisa desenvolveu, ela encontra circularidade. Ela pode voltar a ser embalagem, ela pode ser aplicada na produção de produtos que não sejam de baixa qualidade”. De acordo com Silmara, a cada 30 quilos do aditivo é possível recuperar uma tonelada de resíduos de embalagens plásticas, impedindo que sejam destinadas para aterros sanitários. Além disso, a aplicação desse produto pode ser feita pelas próprias recicladoras ou pelo fabricante das embalagens. “Nós estamos em grupos de trabalho para entender como é que nós vamos atuar junto às cooperativas, como é que nós vamos comunicar catadores, cooperados, recicladores, essa tecnologia embarcada que já torna viável a reciclagem da embalagem, São algumas frentes que nós estamos nos dedicando agora pra poder avançar e, de fato, gerar o impacto socioambiental positivo”. A expectativa é que esse material ajude a dar um novo destino, principalmente, para embalagens de alimentos gordurosos, que sempre são descartados como rejeitos. Por que reduzir o consumo ainda é a melhor opção? Apesar de qualquer alternativa, as especialistas concordam que reduzir o consumo de plástico e continuar separando os materiais continua sendo a melhor opção. “A gente tem que pensar: se eu tenho ciência de que se aquela embalagem não é reciclada, se não tem viabilidade financeira, que as pessoas não reciclam aquela embalagem, eu devo consumi-la?”, indaga a professora da Unicamp. “Então, eu não vou comprar um pacote de bolacha que está embalado em plástico. Eu vou comprar um pacote de bolacha que está embalado em papel. Porque aquela embalagem de papel, sim, ela é reciclada. Eu não vou comprar um chá que está embalado individualmente em um monte de saquinhos plásticos. Eu vou dar prioridade para aquele que vem o saquinho já dentro da embalagem de papel “A questão aqui não é desacreditar na reciclagem, mas usar da prevenção. Porque o que vai acontecer? A indústria só vai mudar o sistema de embalagens quando tiver uma demanda da população”, diz Ana. Em resumo, da parte do consumidor, cabe: Reduzir o consumo de embalagens plásticas, optando por produtos embalados em papel, papelão, vidro ou alumínio, por exemplo; Continuar separando o plástico do lixo orgânico, mesmo os citados nessa reportagem, pois caberá à recicladora dar o destino correto. VÍDEOS: Tudo sobre Campinas e Região Veja mais notícias sobre a região na página do g1 Campinas

FONTE: https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2024/06/16/embalagens-de-salgadinho-de-biscoito-e-sacola-por-que-nem-todo-plastico-e-reciclavel-e-o-que-tem-sido-feito-para-reduzir-impactos.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Top 10

top1
1. Deus Proverá

Gabriela Gomes

top2
2. Algo Novo

Kemuel, Lukas Agustinho

top3
3. Aquieta Minh'alma

Ministério Zoe

top4
4. A Casa É Sua

Casa Worship

top5
5. Ninguém explica Deus

Preto No Branco

top6
6. Deus de Promessas

Davi Sacer

top7
7. Caminho no Deserto

Soraya Moraes

top8
8.

Midian Lima

top9
9. Lugar Secreto

Gabriela Rocha

top10
10. A Vitória Chegou

Aurelina Dourado


Anunciantes